Managing your music

22 03 2010

Fairtilizer is an online music service that allows you to manage your web presence no matter which social network you use. Great for artists and musicians who are seeking a platform to manage, market, share and get stats on their online music sales and streaming.

Promote your digital music store. Wherever your music goes, Fairtilizer goes with it! You can embed your player on any website you wish, and every time you update your playlist, all pages embedded with your players will be automatically updated. You can control the music content on  pages such as Facebook and MySpace, with just one click.

Promote your name, your brand, your style. Fairtilizer makes you discoverable!

But Fairtilizer is not good only for artists. It’s great fun for music lovers. New artists, songs and styles ready to be discovered.

Become a member, create your playlists and share it with anyone of your interest. Send private playlists to people instead of CDs.

And on top of all these cool and useful tools, is the Fairtilizer Dropbox. This is a brilliant idea to allow you to receive tracks on any website with an embedded Dropbox on it.

Would you like to test it? Click on the button below and send me your tracks!

`send me your music on Fairtilizer

Host, create, distribute, follow the stats, share!





A song for her

3 06 2009

I’d like to share with you this beautiful song called ‘A Distand Land‘, made by my musician fiance Erik Schaepers in collaboration with an Indian-producer and the voice of Indian singer, Deepika. The song was made for me and talks about a love remembered from a former life. A bit about ancient history and the space gods. A lot about love and the immortal soul.

Is very flattering having a song composed for me. It’s a honour not everyone can have in life.

What makes it really special is the lyric which talks about how we feel about each other: a love from a former life!

This collaboration happened entirely on-line. Both artists met on Orkut, then listened to each other’s music, then decide to work together on a song.

To crystallize the beliefs, thoughts, ideas and feelings of a love in one song deserves a celebration: I propose a toast to love and music, two things that make our life more beautiful and gives it meaning everyday.

Cheers!

A Distand Land – by Erik Schaepers





When it comes to bullshit…

30 01 2009

Want to laugh a bit? Do you think religion is more complicated than spending your Sunday mornings locked up in a church and give 10% of your monthly income to the priest? Watch this video and discover that you may be right! Ten minutes and get it all resumed by George Carlin. After all, you might wonder: Why the hell do people fight for religion?





I’m an orphan of The 4400

25 10 2008

For those who did not miss a chapter, bought the DVDs and could barely wait to see the next season; for those who had their minds blown away and spent hour after hour watching this fascinating show; for those who went to bed at 3 a.m. because they could not stop watching one DVD after the other; for those who got upset when they played the last DVD of the fourth season; for those who felt that any other show looked just ‘too déjà vu’ or too ‘one more show’ after The 4400; for those who found that a bit of creativity, good actors and actresses, talented screenwriters are the perfect ingredients for a great show; for those who believe that TV can also be intelligent and promote new ideas; for those who believe that TV  creates masterpieces, and last but not least; for those who can not accept the cancellation of such  an intriguing and intelligent, sharp and smart show . I urge you to sign your name on the USA Networks Forums for the return of one of the most brilliant series of the past years. Please put your name there and let’s ask anyone else we know to do the same.

Where are you, The 4400′s fans? I still could not cope with the cancellation of the show. There are so many reasons to love it…

For all fans of The 4400, cheers and don’t give up!

Save them

Watch them

The 4400 guide

Visit them

See them





Girls of Riyadh

15 09 2008

This week my review is about Rajaa Al-Sanea’s novel “Girls of Riyadh”. From time to time you’ll find out about interesting books I’m reading or read. Go to Book of words (or click on top of this page) to read the full article about this amazing book written by a Saudi young girl and how she lets us know about her veiled society and the concerns of four upper class young women. Feel free to comment and suggest other titles. Enjoy it!





Cotonou motorizada

14 09 2008

Uma das coisas que mais chama a atenção em Cotonou, capital do Benin, é a enorme quantidade de motos. O veículo de duas rodas motorizado é utilizado para tudo, inclusive para carregar crianças e bebês, mercadorias, e ainda são usados como táxis. Regras de trânsito são inexistentes, assim como capacetes e semáfaros. A razão para tantas motos é a ausência de um sistema de transporte público. A saída para os beninenses é alugar ou comprar uma moto para se locomoverem, ou para ganhar algum dinheiro, transportando pessoas.

Baratas e com tecnologia antiga, essas motocicletas são altamente poluentes. Não raro os motoristas – ou zémidjan, que significa taxista-moto trafegam com máscaras para se protegerem da poluição.

Entenda como funciona a vida sob duas rodas em Cotonou clicando aqui para acessar a reportagem (em espanhol) de Mariona Vivar, com fotos de Samuel Rodrigues, ambos espanhóis.

Vídeo (em francês) produzido por Mariona Vivar para o Alternative Channel.





As mulheres cantam

14 09 2008

Cotonou, 1o. de Julho de 2008.

Foi um dia difícil. Acordamos, tomamos um café da manhã simples e entramos todos na van. Mais ou menos umas 16 pessoas num veículo, três horas de viagem por ruas empoeiradas e vilarejos pobres sob um calor de mais de 35 graus. O destino, Zagnanado, um vilarejo no meio do nada. Um lugar onde as mudanças climáticas começaram a ser sentidas e enfrentadas pelos moradores com ações práticas e eficientes.

Mulheres de Zagnanado

veja o vídeo clicando no link acima

“Il n’y a plus de bois dans la nature” diz uma moradora (Não tem mais madeira na natureza), referindo-se a escassez de árvores nas matas e a falta de madeira para a utilização na cozinha. Mas ela dá a receita: “Ce pour ça qu’on plante des arbres”, diz ela, explicando por quê as mulheres de seu povoado resolveram sair plantando árvores. Nesta comunidade, há muito mais mulheres do que homens. Em uma mesma família, existem 30 mulheres e apenas cinco homens! O sexo feminino tem um papel muito importante na agricultura africana, elas são ligadas a fertilidade, por isso as mulheres são responsáveis pela coleta de água que ara os campos e pelo preparo da comida.

Mulher dá explicações aos jornalistas. Ao fundo, o forno ecológico.
Mulher dá explicações aos jornalistas. Ao fundo, o forno ecológico.

A busca por madeira e a percepção da escassez e destruição das árvores conscientizou as mulheres do povoado sobre a necessidade de replantio, além de trazer à tona soluções criativas para lidar com os problemas do clima. Com o apoio da ONG Organization des Femmes pour la Gestion de l’Energie du Bénin e suporte do World Food Program, essas mulheres criaram um forno de cozinhar que consome três vezes menos madeira e cozinha muito mais rápido do que o utilizado anteriormente.  O resultado é menos árvores abatidas e mais árvores plantadas. Entre as mulheres do grupo, algumas são encarregadas de passar a técnica adiante. A formação é gratuita.

Combústivel para a vida

No mesmo lugar, outro exemplo de criatividade. Dotan, uma comunidade que planta sementes e produz biocombústivel quer substituir a gasolina por causa da alta dos preços e do aquecimento global. O grupo consegue produzir até 2.500 litros por hectar de terra e conta com 120 pessoas trabalhando no projeto. O resultado do trabalho é vendido no mercado, mais barato que a gasolina comum. Aos críticose, eles avisam que não pararam de produzir comida para para produzir biocombústivel.

Nada disso é novo e podemos encontrar muitos exemplos no Brasil e mundo afora. O que chama a atenção e faz a gente parar para pensar é que essas pessoas vivem no meio do mato, longe de qualquer cidade desenvolvida e sem o mínimo dos recursos com os quais o contamos em um país como o Brasil, por exemplo. Apesar de tudo, não se fizeram de vítima, pelo contrário, desenvolveram soluções simples, porém eficazes para lutar contra as mudanças climáticas e suas consequências. Um exemplo para o homem da cidade grande que, na ânsia de justificar o desperdício e a falta de preocupação com o planeta, se apóia na “falta de informação” ou no “não sei exatamente o que fazer” para continuar poluindo e entupindo o planeta de lixo.








Follow

Get every new post delivered to your Inbox.